NEW YORK NEW YORK

vampire weekend... olha la o gui melo

E seguindo as dicas dos meus belíssimos amigos, me deparo novamente com novos rostinhos e uma tabela bem diversificada de músicas e inspirações, o que eu adoro hahaha. Elas são mais puxadas pro lado rock/indie (que minha amiga Lydia sempre insiste em me fazer ouvir). Bom, posso dizer que gostei bastante a ponto de vir mostrar pra vocês. Destaque também é o fato de todas as bandas terem vindo de nada mais nada menos que New York. Vem dar uma olhadinha.

THE STROKES

strokes meus bbs

O que dizer de uma banda que é famosa pelo estilo extremamente despojado, contando até com um vocalista que esquece as letras das próprias músicas? Logo no primeiro álbum, lá no começo do século, eles já mudaram a cara do rock de garagem, com as letras estranhamente poéticas na voz arrastada de Julian Casablancas. Dá pra ter um pouquinho desse gosto, com um tempero de nostalgia, na música Someday.

Com o tempo a banda foi ficando sumida e até houve um medo deles se separarem, pois muitos começaram a trabalhar em projetos solo. O baterista Fabrizio Moretti, por exemplo, é brasileiro e participou da banda Little Joy, junto com Rodrigo Amarante, que lançou um único álbum homônimo. Já o vocalista Julian lançou em 2009 um CD solo. Seus projetos possuem um som mais oitentista e um pouco experimental, com sintetizadores, falsettos e até distorções vocais, o que influenciou também na mudança do som da sua banda. Dá pra notar isso em “Taken for a Fool,” lançada em 2011.

VAMPIRE WEEKEND

vampire wekeend mt chique

O nome do álbum mais recente da banda, Modern Vampires of the City, descreve bem a vibe que Vampire Weekend transmite. O som dos rapazes é marcado pelas excentricidades de Ezra Koenig, que sempre dá um jeito de enfiar uma onomatopeia aqui e outra ali nas letras das músicas. Porém brincadeiras à parte, o cara é formado em Inglês pela Universidade de Columbia, então a banda também tem umas letras excepcionais, com destaque para Step. Dá uma olhadinha:

No clipe de  “Giving up the gun” (meu preferido), uma moça ruiva jogando tênis contra adversários muito loucos, que incluem o ex- Jonas Brother, Joe Jonas, e até o ator Jake Gyllenhaal.

INTERPOL

onterpol (foto gigangeDiferente da maioria das bandas que falei aqui, é muito difícil você gostar de Interpol logo de cara, mas o nome já diz tudo: eles vão te prender, e depois vai ser difícil escapar. A banda surgiu em Nova York, porém dois de seus membros são britânicos, e suas músicas carregam aquele clima cinzento que a gente logo liga à cidade de Londres. Seu som também e marcado pelo contraste de um baixo profundo e riffs de guitarra agudos, que se torna ainda mais melancólico com as letras e a voz de Paul Banks.

Letras estas que normalmente falam sobre os mesmos assuntos de milhares de músicas –  amor, paixão, tristeza, tempo, até sexo e drogas – porém tudo de um jeito cheio de metáforas e palavras que quase ninguém usa. Nessa brincadeira entra até no nome do álbum mais recente da banda, El Pintor, que é um anagrama para Interpol. Pra fechar dá uma atençãozinha pra “All The Rage Back Home”.

Brigado à você Lydia, que fica disponibilizando seu tempo pra me ajudar e apresentar (quase que obrigar haha) novas músicas, que possivelmente eu não conheceria! Espero que tenham gostado!

Xo.

assinatura guilherme lopes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: