Abro os olhos. Estou entre aquilo que quero e aquilo que preciso. Minhas vontades espirituais tentam não sucumbir às carnais e chego ao ponto de que quase não consigo retornar. Arrisco tudo que tinha e abraço a escuridão, deixo-a me envolver em suas sombras meticulosas, onde mantenho exposto tudo aquilo que eu tenho de mais frágil. Aí está minha, sua e nossa surpresa. Eu não quebrei. Da obscuridade fiz um irmão, e do vazio me levantei do chão. Abracei o blecaute da minha alma e da verdade, renasci.

Foi preciso alinhar medo e prazer para enfim começar a buscar por aquilo que ainda não tenho. Com temor, me sinto restaurado e com a sensação de aperfeiçoamento, vi tudo mais claro, enxergando saídas e entradas que jamais seriam procuradas. Cada célula em mim sonha com algo novo, um objetivo que talvez ainda não seja puro, mas que faz questão de alcançar qualquer extremidade do meu corpo.

Mandei aquela névoa embora, mais ainda preciso caminhar muito até minha supernova. Novamente depende do que eu quero e do que preciso. Posso deixar escapar o sentimento que desconheço, ou posso me prender à ele e esperar pelo melhor, o melhor que eu posso fazer.

Xoxo,

Gui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: